Publicado em

A presidente do CAU/SC, Daniela Sarmento, e o secretário Michel Mittman, assinam acordo de cooperação

O Conselho de Arquitetura de Santa Catarina firmou na terça-feira, 23, um termo de cooperação técnica com a nova secretaria de Transporte e Mobilidade Urbana de Florianópolis que prevê intercâmbios e ações conjuntas. A supersecretaria, como vem sendo chamada, agora inclui também o Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis (IPUF) e a Diretoria de Operação do Sistema Viário de Florianópolis (Diope), e nasce com a missão de usar a mobilidade como ponto de partida para um modelo mais inclusivo de cidade.

O fato de ser comandada por um arquiteto urbanista é um ótimo indício. Michel Mittman, que dirigia o IPUF, assumiu a complexa tarefa de resolver um dos principais gargalos da capital catarinense, e pretende fazê-lo a partir de uma visão mais ampla de planejamento urbano. O superintendente do IPUF continua sendo Ildo Rosa, e o arquiteto Jardell Farias assume como diretor geral.

A reunião, organizada pelo Colegiado de Entidades de Arquitetos e Urbanistas do CAU/SC, contou também com a presença do Sindicato de Arquitetos de Santa Catarina (SASC) e representantes das faculdades de Arquitetura e Urbanismo da UFSC, Unisul, Univali e Estácio de Sá. O encontro foi marcado com o objetivo de dar as boas-vindas e demonstrar apoio a Mittman. O grupo discutiu a possibilidade de parcerias para fortalecer os processos de planejamento da secretaria, e a necessidade de estruturar uma rede técnica em conjunto com as entidades da cidade.

“É importante que o conselho de arquitetura esteja inserido nesse processo, atuando para o fomento do planejamento urbano. Essa é, também uma forma de valorização profissional, já que é fundamental para o futuro das nossas cidades a participação efetiva dos arquitetos e urbanistas em seu desenvolvimento”, afirmou a presidente do CAU/SC, Daniela Sarmento. Como autarquia federal, o Conselho de Arquitetura e Urbanismo deve pugnar pelo exercício da profissão, e tem condições de ser um parceiro e articulador importante nas ações dessa futura rede.

Mittman ressaltou que a questão da mobilidade urbana passa necessariamente pela inclusão social, e que hoje há grande receptividade dessa visão por diversos setores no município. Nesse sentido, estabelecer um diálogo aberto e parcerias mais efetivas com os atores da sociedade pode acelerar processos que beneficiem o espaço público. O uso de laboratórios de projetos e a realização de workshops de formação de ideias, com agendas de consultas com a sociedade, foram exemplos dados por ele de como a secretaria pode se abastecer melhor de outras visões de cidade

 

PARCERIAS PARA INOVAR

Florianópolis é uma das únicas cidades de Santa Catarina que tem um Instituto de Planejamento Urbano, e esse movimento pode criar um modelo de referência para todo o estado. É um ganho para a capital poder contar com um órgão com condições de atuação independente e técnica para tomadas de decisão.

O protocolo de intenções assinado entre o CAU/SC e a secretaria de Transporte e Mobilidade Urbana segue esse modelo de cooperação e abre precedentes importantes para a cidade ao provocar uma visão mais sistêmica do planejamento urbano.

“A criação de uma secretaria com essas atribuições fortalece o processo de planejamento urbano proposto pelo Ipuf, que passa a ser construído com maior colaboração da sociedade. É uma iniciativa que possibilitará algo muito bom para o futuro”, comemora Daniela.


O novo secretário, Michel Mittman, respondeu a três perguntas feita pelo CAU/SC. Leia abaixo:

CAU/SC: Qual a importância ter um arquiteto e urbanista à frente dessa superpasta de mobilidade? Como a visão de um arquiteto pode ajudar a resolver esse problema tão complexo?

Mittman: Sempre é importante destacar a importância do papel do arquiteto e urbanista junto a coordenação de áreas estratégias das diferentes esferas governamentais. O urbanista, sempre apoiado pela interdisciplinaridade, tem a possibilidade de integrar os diferentes temas e complexidades relacionados ao planejamento urbano, entendendo mobilidade de forma indissociada com plano diretor, políticas de habitação, forma urbana, uso e ocupação do solo. E a solução dos problemas passa exatamente por esta necessária visão integrada dos temas. Uma cidade que não organizada suas centralidades, não promove o uso misto e a compactação do território com densidades adequadas, não busca equilíbrio nas demandas habitacionais em especiais as de baixa renda está fadada a falência de um modelo sustentável de mobilidade

CAU/SC: A mobilidade urbana em Florianópolis é comprovadamente umas das piores do país. Com que tipo de ações o senhor pretende atacar tamanho desafio?

Mittman: Colocar as pessoas como centro das soluções é o desafio. Esta visão repercute em todas as soluções. Colocar as pessoas na conta é a forma adequada de perceber a mobilidade desde o uso das calçadas até a discussão sobre a priorização do transporte coletivo. Nosso programa base, a ser detalhado conta com 10 eixos temáticos, a qual estamos delineando ações de curto, médio e longo prazo. Nestes eixos figuram pedestres, ciclos, transporte coletivo por ônibus, passando por modais alternativos e culminando com governança e participação social, que pretende criar elos colaborativos na busca de soluções e implementação das ações.

CAU/SC: Qual a importância de colocar o Ipuf dentro da estrutura da nova secretaria de Mobilidade?

Mittman: Estamos criando as bases de um IPUF do futuro, cuja premissa é o planejamento urbano e gestão territorial integrado com outras secretarias e com uma vertente de propositiva na busca soluções. A Secretaria de Mobilidade passa da gestão mais operacional e se transforma numa secretaria tem no seu cerne a visão estratégica do futuro da cidade, que é papel do IPUF fomentar.


Deixe seu comentário