Publicado em

Para a presidente do CAU/SC, Daniela Sarmento, as cidades devem promover aproximações entre os atores que usam, legislam e decidem sobre o seu modelo de desenvolvimento. “As cidades são instâncias de exercício da democracia. A experiência das pessoas, aliada ao conhecimento científico, técnico, urbanístico e ambiental, são fundamentais para avançarmos nos desafios que nos propõem a agenda urbana”, afirma a arquiteta.

Diante deste contexto, a presidente destaca o papel dos arquitetos e urbanistas e também do CAU na promoção da Nova Agenda Urbana. “É fundamental que sejamos capazes de promover o conhecimento urbanístico para que a cultura do preservar, do cuidar da cidade seja acessível a todas as pessoas, difundindo o conceito da função social da cidade. A partir do momento esta compreensão se consolida, o processo participativo ganha qualidade e a consciência do seu direito à cidade faz com que o debate sobre os desafios que a agenda nos propõe tome aderência e engajamento, comprometendo todos os atores”, afirma.

Os Conselhos de Arquitetura, defende Daniela Sarmento, podem desempenhar o papel fundamental de abrir o diálogo entre legisladores, profissionais e outros atores. Procurando responder a este desafio, o CAU/SC se tornou signatário do Movimento ODS/Santa Catarina, que articula organizações comprometidas com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU no estado. Também é patrocinador oficial do ODS 11 – Cidades e Comunidades Sustentáveis, que visa tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis. “Quando o CAU/SC decide incorporar os ODS no seu planejamento estratégico e, a partir desta orientação, estruturar os seus projetos e seu posicionamento com a sociedade, se coloca como promotor da agenda urbana e abre o diálogo com outros atores que promovem a cidade. Conseguimos, assim, agir para que a agenda seja efetiva”, acredita a presidente.

Como avançar na Nova Agenda Urbana

 


Deixe seu comentário