Intervenção cultural invade a Rua Saldanha Marinho, no centro histórico de Florianópolis

Em mais uma ação do movimento Traço Urbanos, a Rua Saldanha Marinho, no Centro Histórico de Florianópolis ganhou novas cores, além de muito entusiasmo na busca da revitalização e resgate histórico do local

Publicado em

Café da manhã, conversas sobre arquitetura e revitalização da cidade, e intervenções culturais e artísticas ocorrem durante todo o sábado, dia 12.  A ação tem o apoio do CAU/SC como extensão do 2º Congresso Catarinense de Arquitetos e Urbanistas.

A atividade teve início às 9h30, com um café da manhã servido na varanda do Museu da Escola Catarinense. Em seguida, o público foi convidado a participar da intervenção interativa de artista João Aires, com cocriação pública. Crianças e adultos receberam giz para desenhar nos paralelepípedos da rua.  No local, ainda ocorreu a abertura da exposição de rua “Espaços Urbanos”, com imagens de exemplos bem-sucedidos de intervenções urbanas nacionais e internacionais. O grande painel foi instalado no Museu Vitor Meirelles.

O casal de arquitetos e urbanistas Marila Filártiga e Beto Gerbara aproveitou a ocasião para incentivar os filhos, Luiza, de 9 anos, e Tomás, de 3 anos, à apropriarem-se dos espaços públicos. “Tentamos passar para eles esse sentimento de pertencer ao local, de maneira a nos sentirmos parte e nos tornarmos responsáveis pelo cuidado da cidade também”, comenta.

Marila ainda salienta que eventos como esse são importantes para manter a cidade viva. “Um centro, ou uma cidade viva tem que ter pessoas circulando e vivendo o local em potencial. Precisamos trazer essa urbanidade de volta. Humanizar essas áreas que estavam mais abandonadas e conscientizar sociedade e poder público sobre o cuidado com a história local”, aponta.

O sentimento é compartilhado pelo estudante da 7ª fase de arquitetura e urbanismo Eduardo Petry. Ele ainda salienta a necessidade de engajamento de estudantes e profissionais da área. “Uma cidade não se faz apenas com técnicas. Ela é composta por pessoas que vivem e usufruem do que a gente projeta ou vai projetar. Por isso, eventos como esse são tão importantes. Para estimular a participação de todos, mas além disso conscientizar quem é da área a não deixar isso de fora na hora de fazer projetos”, avalia.

 

Sobre o Movimento Traços Urbanos

Planejar e executar ações que contribuam para a requalificação dos espaços públicos e de uso coletivo de Florianópolis. Essa é a meta do movimento Traços Urbanos, formado por um grupo transdisciplinar com dezenas de pessoas de diferentes competências e áreas de atuação. Em comum, elas compartilham o interesse de transformar a cultura urbana a partir da revitalização de diversas regiões da cidade. Iniciado em agosto por um grupo de arquitetos e urbanistas, a partir de uma conversa informal entre amigos, o movimento foi sendo ampliado e, hoje, reúne 60 pessoas, entre arquitetos, engenheiros, designers, jornalistas, artistas plásticos e educadores, atuantes nos setores privados e públicos.


Deixe seu comentário