Publicado em

Um dia de imersão e de ações focadas na valorização do patrimônio histórico cultural. A pretexto do seminário “Cidade, patrimônio de Todos: As oportunidades e responsabilidades na Preservação do Patrimônio Cultural”, o CAU/SC mobilizou arquitetos e urbanistas da região do Vale do Itajaí em atividades políticas e de formação em Blumenau no dia 19 de novembro. Além da programação do seminário, prestigiado por um público diverso, o CAU/SC e a Câmara Temática Cidade, Patrimônio de todos levou o debate para Câmara de Vereadores e também para as ruas da cidade.  

“A programação gerou várias inquietações e reflexões sobre a valorização e a gestão de preservação desses bens. O sentimento final foi de que a cidade (Blumenau) detém um acervo arquitetônico excepcional mas que encontra-se ameaçado, mostrando a necessidade de que entidades como o CAU se fortaleçam e atuem cada vez mais para discutir e defender o legado arquitetônico de Santa Catarina.” Lilian Fabre, arquiteta, professora universitária e mestre em preservação do patrimônio cultural 

A mesa de abertura foi composta pela presidente Daniela Sarmento; pelo diretor de planejamento da Prefeitura Municipal de Blumenau, Roger Danilo Schreiber, pela representante da Associação dos Municípios do Vale do Itajaí (AMMVI), arquiteta Isadora Reis, e da representante do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Suelen Artuso.  

A palestra “A identificação de valores e os critérios de proteção dos conjuntos e paisagens culturais”, do arquiteto português Antonio Miguel Lopes de Sousa, abriu a programação temática. Arquiteto pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto-Portugal, Lopes de Sousa é consultor da UNESCO junto ao IPHAN desde 2010 e foi Coordenador de Conservação da Coordenação Geral de Bens Imóveis. “As reflexões do Arquiteto Antônio Miguel, que fazem com que nós passemos a pensar a preservação do patrimônio cultural a partir de pontos de vista completamente novos, o que nos retira de uma certa maneira da nossa zona de conforto, e nos faz pensar sobre a responsabilidade que nós, arquitetos, temos na preservação do passado, mas também na construção do presente e do futuro das cidades”, destacou Vanessa Maria Pereira, Integrante da Câmara Temática e mediadora das mesas da manhã. A palestra foi transmitida pela fanpage do CAU.

O projeto de extensão da universidade Furb para promover a Requalificação do Patrimônio Cultural da Imigração em Pomerode foi o tema da segunda palestra. As professoras Carla Back, Liliane Nizzola, Suelen Artuso e estagiárias do curso de Arquitetura e Urbanismo que participam do projeto relataram a experiência, viabilizada por meio de um convênio com a Prefeitura Municipal do município e IPHAN. “Este projeto demonstra como a soma de forças entre as instituições públicas e a sociedade civil podem alcançar resultados fantásticos para auxiliar na salvaguarda dos bens patrimoniais”, avaliou Vanessa Pereira. 

Conforme programado, a parte da tarde trouxe outras experiências práticas de preservação do patrimônio, com a palestra “Hans Broos e a relação entre cidade e patrimônio”, do arquiteto Bernardo Brasil (IFSC); e o relado do representante do IAB-SP, Fernando Túlio, sobre a experiência da preservação do patrimônio cultural e do plano diretor de São Paulo. 

“A preservação do patrimônio histórico das nossas cidades é uma responsabilidade e um direito de todos. Precisamos avançar na sensibilização e na conscientização das pessoas sobre o seu direito à memória e sobre o que significa o patrimônio cultural para a sociedade. A partir do encontro, nos colocamos à disposição para projetos mais detalhados e para que possamos continuar contribuindo na busca de soluções” Daniela Sarmento, presidente do CAU/SC

A última mesa oportunizou a apresentação de experiências de proteção do Patrimônio Cultural no Vale do Itajaí. O diretor de Planejamento Urbano do município de Blumenau, Roger Danilo Schreiber, a Superintendente do Iphan – SC, Liliane Janine Nizzola; e o representante do CAU no Conselho Municipal do Patrimônio Cultural Edificado, Guido Paulo Kaestner Neto, foram os palestrantes. “As apresentações da tarde mostraram as possibilidades da adequada preservação do patrimônio cultural, urbano e da paisagem natural através dos instrumentos do plano diretor participativo municipal”, afirmou a coordenadora da Câmara Temática, Valesca Menezes Marques.

À noite, a Câmara Temática e profissionais da cidade organizaram um passeio guiado pelo centro histórico. A antiga prefeitura, o casario histórico, a praça do antigo porto, edificações de diversas épocas e exemplares modernos assinados por Hans Broos, como Grande Hotel e Casa Peiter, estiveram entre os pontos visitados. “Pudemos observar as edificações com valor histórico, cultural e arquitetônico que se encontram preservadas e outras em risco de demolição. E conhecemos a paisagem e a ambiência da tradicional área da curva do Rio, que emoldura o Centro Histórico”, relatou Valesca Marques. Veja mais imagens da visita. 

A coordenadora da Comissão destacou a diversidade do público reunido pelo seminário. Além dos arquitetos e urbanistas, compareceram profissionais de outras áreas, gestores, técnicos das prefeituras e representantes de organizações interessadas nas temáticas. “Recebemos feedbacks super positivos dos participantes. Ao final do evento, percebia-se que os participantes ficaram satisfeitos”, disse a arquiteta, que reforçou o convite para que os profissionais participem da Câmara Temática Cidade, Patrimônio de Todos. “É importante participar das discussões e encaminhamentos técnicos que se destinam ao aperfeiçoamento da atuação profissional e o reconhecimento do saber dos especialistas”, completou.

“A variedade de temas abordados deixa claro que o patrimônio deve ser incorporado às discussões sobre a cidade, sobre seu planejamento e seu futuro. Não podemos mais encarar o patrimônio cultural como um fardo do passado, ele é, na verdade um grande ativo de desenvolvimento social e urbano. Os arquitetos que despertarem para isso estarão à frente na construção de cidades mais humanas e sustentáveis” Vanessa Maria Pereira, arquiteta, consultora do Iphan, integrante da CT Cidade Patrimônio de Todos

Para a presidente Daniela Sarmento, a construção do evento com as entidades locais contribuiu para o sucesso do evento. “É um movimento que reforça a capilaridade e a aproximação do CAU/SC com a sociedade para o fomento da arquitetura, valorizando cada região do estado”, declarou. Na perspectiva da arquiteta, o evento alcançou o objetivo de abrir o diálogo para a preservação do patrimônio cultural das cidades e ao proporcionar um debate de alto nível. “Os palestrantes nos trouxeram reflexões e alternativas para enfrentar o problema complexo que é preservação do patrimônio histórico das nossas cidades. Quando nos encontramos e trocamos experiências, estamos nos capacitando como arquitetos e urbanistas e também estes atores que vivem na cidade e tem este direito à memória”, avalia Daniela.

Confira os vídeos das transmissões ao vivo:

Parte 1 – https://www.facebook.com/causc/videos/963489097350973/

Parte 2 – https://www.facebook.com/causc/videos/1383035098531372/

Parte 3 – https://www.facebook.com/causc/videos/426020481660901/

Parte 4 – https://www.facebook.com/causc/videos/2479602378946064/

 

 

 

.:. Confira mais imagens na galeria de fotos .:.

 

 

 


Deixe seu comentário