Publicado em

Presidentes das principais entidades da categoria participaram do encontro | Foto: Felipe Wagner

Remuneração dos serviços arquitetônicos, valorização do ensino, da docência e do empreendedorismo em arquitetura e urbanismo.  Avanço da reforma urbana e defesa dos institutos de planejamento . O Seminário A “Arquitetura e Política – os desafios da representação profissional na Arquitetura e Urbanismo”, foi uma caixa de ressonância para as mais diversas e latentes demandas da profissão. Promovido pelo CAU/SC com o apoio do CEAU-CAU/SC e CEAU-CAU/BR, o evento reuniu, na mesa de debate “Papel das Entidades de Arquitetura e Urbanismo frente aos desafios da política profissional”, os/as presidentes das principais organizações da arquitetura e urbanismo do país. Em paralelo ao relato da trajetória de cada instituição, a mesa recuperou capítulos importantes da própria história da profissão da arquitetura e urbanismo no Brasil.

A mesa de debates teve a participação dos presidentes da Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas (ABAP), Luciana Schenk; do Instituto de Arquitetos do Brasil, Nivaldo Andrade; da Federação Nacional dos Arquitetos (FNA), Cícero Alvarez; da Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura (ASBEA), Edison Borges Lopes; da Associação Brasileira de Ensino de Arquitetura e Urbanismo (ABEA), João Carlos Correia, Beatriz Vicentin, da Federação Nacional de Estudantes de Arquitetura e Urbanismo (FeNEA); além dos presidente do CAU/BR, Luciano Guimarães, e do CAU/SC, Daniela Sarmento, e do coordenador do CEAU-CAU/SC, Carlos Lopes. Cada entidade teve oportunidade de fazer um resgate do contexto político que lhe deu origem.

Próximo de completar o centésimo aniversário, em 2021, o IAB é a mais antiga entidade de representação da categoria. A partir dela, décadas mais tarde, surgiriam outras organizações com o objetivo de fortalecer a luta e o posicionamento dos arquitetos e urbanistas nas diversas áreas de atuação. Uma delas é a ABAP, criada em 1976, após provocação feita à paisagista Rosa Klias durante o encontro da International Federation of Landscape Architects (IFLA), no ano anterior.  A AsBEA, composta e dirigida pelos escritórios de arquitetura e urbanismo associados, surgiu no início da década de 1970. Entidade sindical que congrega sindicatos da categoria em todo o país, a FNA é a mais jovem das entidades e tem carta sindical desde 1979.  Já a ABEA foi fundada em 1973, mas reformulada em 1985 para se tornar entidade de ensino com a tarefa de debater permanentemente o processo de ensino e aprendizagem na arquitetura e urbanismo.

O presidente do CAU/BR destacou o protagonismo das entidades nos debates da sociedade e também no avanço da organização profissional. “As entidades fortalecem debates importantes para a profissão e também muitas pautas relacionadas ao direito à cidade. Defenderam a criação do seu próprio conselho (CAU) e fazem parte dele por meio do CEAU”, afirmou. “O CAU foi criado com um objetivo amplo: além de orientar e fiscalizar o exercício da profissão, vem pugnar pelo exercício da arquitetura e urbanismo. Mas a gente só consegue alcançar este objetivo se tiver a participação de todas as entidades”, completou. Luciano Guimarães também defendeu o trabalho conjunto das entidades e o apoio regional. “Cada entidade tem sua função institucional, mas isso não impede de trabalharmos pautas conjuntas. O CAU já nasceu com representatividade em todos os estados e precisamos fortalecer as entidades dentro de cada unidade da federação para que, com a participação dos profissionais, possam decidir as suas especificidades”, disse o presidente.

O seminário aconteceu paralelamente à 46ª Reunião do Colegiado de Entidades de Arquitetura e Urbanismo, em Florianópolis, e faz parte do esforço de aproximação do CAU/BR com os profissionais de todo o país por meio de encontros itinerantes. Na véspera, houve ainda a Roda de Conversas Mulheres na ArquiteturaO evento fortaleceu o papel histórico de cada entidade na conquista do CAU. Também oportunizou a atualização sobre as atuais pautas políticas da nossa profissão, conhecer os avanços e desafios que temos pela frente”, afirmou a presidente do CAU/SC, Daniela Sarmento.

A mesa de debates também reforçou o chamado à participação de um dos mais importantes eventos do gênero: o 27º Congresso Mundial de Arquitetos UIA2020Rio, que acontece pela primeira vez no Brasil e está com inscrições abertas.

.:. LEIA TAMBÉM .:. Seminário debate representatividade feminina na arquitetura e urbanismo


Deixe seu comentário