Publicado em

Foto Fábio Motta/Jornal Estadão

A arquitetura e urbanismo brasileiro perdeu neste sábado, 27 de julho, o arquiteto Demetre Basile Anastassakis, ex-presidente do Instituto dos Arquitetos Brasileiros (IAB). Uma das figuras centrais dos debates sobre a arquitetura social e o direito à cidade para todos, Demetre participou ativamente do processo de construção da Lei de Assistência Técnica em Habitação Social. Aos 71 anos, estava internado no Hospital Português, no Rio Comprido (RJ) e faleceu em decorrência de complicações após uma cirurgia no aparelho digestivo. 

Anastassakis idealizou diversos projetos de habitação social pelo país, como o mutirão São Francisco, em São Paulo (obra realizada durante a gestão Luíza Erundina), e a reurbanização da favela da Maré, Rio de Janeiro. Recentemente, foi presença constante no CAU/SC para a construção das oficinas de capacitação em Athis, previstas para agosto e setembro no estado, junto com a colega e companheira Claudia Pires e o advogado Marcelo Leão. No ano passado, foi um dos principais destaques do V Seminário Nacional de Assistência Técnica para Habitação de Interesse Social, onde falou sobre os principais trabalhos realizados ao longo da sua carreira (veja aqui a apresentação).

“Em diversas reuniões do Conselho Superior do IAB, assim como em audiências e debates públicos, Demetre se emocionava ao defender, com energia e vigor, seus valores e ideias. Contudo, Demetre era, ao mesmo tempo, doçura e abraços com aqueles com quem, poucos minutos antes, discutiam fervorosamente”, lembrou o atual presidente do IAB, Nivaldo Santana.

Demetre Anastasaskis e a colega e companheira, Claudia Pires | Foto: Ana Araujo

“Demetre foi nosso mestre. Nos ensinou através da coerência e generosidade da sua prática que ter acesso à cidade é um direito de todos, e com sua inteligência e humanidade nos mostrou que habitação social é possível ser feita com qualidade. Sua esperança vive em nós, continuaremos sua luta”, declarou a presidente do CAU/SC, Daniela Sarmento.

“Nossa missão fica ainda maior quando quem nos deu o caminho parte na certeza de que seu legado não parte junto. Às vezes engolir estrelas arranha a garganta”, disse a arquiteta Cláudia Elisa Poletto, coordenadora da Comissão de Assistência Técnica em Habitação Social do CAU/SC. Para definir o legado do  mestre, Claudia Poletto lembrou o desafio proposto pelo educador Paulo Freire: “É fundamental diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, de tal forma que, num dado momento, a tua fala seja a tua prática.” “Demetre apresentava uma grande coerência entre o que ele falava, o que ele acreditava, e o que praticava no dia a dia”, afirmou o presidente do CAU/RJ, Jeferson Salazar.

Em nota, o CAU/BR fez um breve resgate da obra do arquiteto e afirmou: “Demetre Anastassakis era um exemplo de vanguardismo, talento e coragem em nossa profissão. Sentiremos sua falta e nos apoiaremos sempre em suas lições. “Com a partida do arquiteto Demetre perdemos um soldado das boas práticas profissionais, um abnegado defensor da arquitetura inclusiva e um irreverente colega de ofício”, definiu o conselheiro federal do CAU/BR por Santa Catarina, Ricardo Fonseca.


Deixe seu comentário